Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

Lançamento do CD – Caminhos de Si, o tempo

O grupo Caminhos de Si lança, no dia 4 de novembro, às 20h, na Livraria Cultura do Bourbon Shopping Country (Avenida Túlio de Rose, 80), seu segundo trabalho intitulado “ Caminhos de Si - O Tempo”. No show, o trio de compositores formado pelos jaguarenses Martim César, Hélio Ramirez e Paulo Timm, abordarão temáticas como as questões étnicas e sociais, como por exemplo, a influência indígena e negra no imaginário e na criação das cidades do sul do continente. Além de questões ambientais como a preservação dos rios e florestas e incursões pela história e literatura.
O disco, que dialoga com a cultura pampeana, brasileira e latino-americana, reúne 15 músicas, entre composições próprias, carregadas na influência da estética da fronteira Brasil-Uruguai, bem como do restante da América Latina, sem deixar de fora a incorporação de elementos tipicamente brasileiros, com influências de Renato Teixeira, Almir Sater, Chico Buarque, Luiz Gonzaga, entre outros.. Martim César, parafraseando o autor da orelha do disco, Aldyr Garcia Shlee, criador do personagem Don Sejanes, incluído no projeto através da canção Milonga por Don Sejanes, explica que as canções, apesar de regionais, são universais. “A gente vai do outro lado da fronteira sem sair deste. Vai ao exterior sem sair do interior”, comenta.
A diversidade estética do trabalho se dá através da participação dos músicos Gil Soares, na flauta, Leonardo Oxley, no violino, Aluísio Rochemback no acordeom, Fabrício Pardal Moura, no bandolim, Nilton Júnior no piano, além das vozes femininas de Maria Conceição e da uruguaia Laura Correa, entre outros.

Caminhos de si – O Tempo


Na fronteira de dois mundos: um, o país continente chamado Brasil; o outro, a América Latina de língua hispânica. Nessa região, ao sul dos mapas, e que se assemelha muito mais a uma intersecção do que a uma linha divisória, estamos nós. Mestiços, tanto em nossa formação genética, como em nossa identidade cultural. Bebemos da fonte de dois rios que se encontraram lá na Ibéria e que aqui se depararam novamente, mesclando-se, por sua vez, ao caudaloso rio indígena e ao profundo rio africano. Depois, outros rios também se mesclaram a nós. Dessa junção é que somos formados. Esse é o sumo que irriga as nossas veias e é o material invisível que transformamos em poemas e canções. Em meio a tudo isso, o tempo. Sempre o tempo. O passar de muitas gerações. Os que vieram antes apontando o rumo, dando um sentido ao que fazemos e somos. São eles a voz do tempo nos dizendo que a deles - e, por legado, a nossa - não é uma arte que chega fácil aos ouvidos; não tem essa pretensão, posto que é mais de conteúdo que de embalagem; mas é, isto sim, uma arte que tem o intuito de permanecer, de ser rio perene, de gravar no tempo os seus passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Classificatória do Enart movimenta Canoas nos dias 21 e 22 de outubro

Os tradicionalistas de Canoas nem começaram a sentir saudades da melhor semana para os gaúchos, a Semana Farroupilha, e já têm motivos ...