Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

O brasileiro mais importante em Hollywood agradece Gramado: “homenagem em casa tem outro sabor”


Acostumado com a escala grandiosa de tudo o que envolve Hollywood – enormes sucessos de bilheteria, cifras de arrecadação altíssimas, superproduções, prazos e pressões, e bajulação correspondente – o homenageado com o troféu Eduardo Abelin no 46º Festival de Cinema de Gramado, Carlos Saldanha, passou tarde e noite de sábado , reafirmando a singularidade de receber um prêmio em seu país natal.
“Ah, que coisa boa isso aqui”, exclamou ao chegar ao púlpito. “Fiz minha carreira praticamente lá fora, então ganhar um prêmio no Brasil tem um gostinho muito especial”, agradeceu, no palco do Palácio dos Festivais.
Ao longo da entrevista coletiva que concedeu ainda durante a tarde, Saldanha deixou explícito o desejo constante de reforçar os laços com o Brasil. Vivendo em Nova Iorque há 25 anos (ele foi para passar três meses, estendeu o prazo para dois anos e logo foi contratado pelo Blue Sky Studios), está constantemente pensando projetos que o aproximem da terra natal. A primeira brecha veio na esteira do sucesso de “A Era do Gelo” (2002), que codirigiu ao lado de Chris Wedge.
Aproveitando o bom momento, propôs um projeto com a cara do Brasil para o estúdio Fox. “Eu disse: no Brasil tem música, cor, tudo o que é preciso para uma boa animação”, lembra. Era o embrião do sucesso internacional “Rio” (2011), que, entretanto, ainda teve que esperar antes de sair do papel. “Eles toparam, mas disseram que antes precisaria fazer A Era do Gelo 2 e 3”, revelou.
Assim foi, e com as sequências do filme original, Saldanha ganhou ainda mais prestígio, pois assumiu a condução completa do projeto, que foi sucesso internacional de bilheteria, arrecadando quase um bilhão de dólares ao redor do mundo.
Chegou, então, a vez de “Rio”, e ele fez questão de ambientar toda a equipe no Brasil para contar a história de Blue, um pássaro nativo que deixou o país muito cedo e precisa voltar. “Fizemos todo o percurso do Blue juntos, saímos dos Estados Unidos e viemos”, recorda. Na capital fluminense, onde Saldanha nasceu, a equipe se aventurou da mesma forma que Blue, na telona. “Fizemos aula de samba para conseguir animar os personagens, saltamos de asa delta – mesmo contra a vontade do estúdio, que não queria se encarregar do seguro”, revela.
Recentemente também decidiu se aventurar pela ficção live action (ou seja, com atores de carne e osso e não desenhos animados) em um projeto que, uma vez mais, mirou a pátria distante. “Cidades Invisíveis”, série de oito episódios feita para a Netflix tem como fundo temático o folclore brasileiro. “Estou muito feliz, pois é uma produção 100% brasileira, com roteiristas, atores, toda a equipe daqui”, celebra.
Ele também revela ter planos de produzir mais animação. “Sempre temos dois projetos andando juntos, para ver qual o que se confirma. No momento, estou trabalhando em uma história original própria e em uma sequência. Vamos ver qual será a vitoriosa”, provoca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Autorizado a construção de Galpão de Eventos na Área Campeira

Nesta manhã, a diretoria da AETC, Associação das Entidades Tradicionalistas de Canoas através do seu Presidente Gilso Alves...