Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

Escoteiros contra o Aedes

Em uma ação inédita, a União dos Escoteiros do Brasil, região do Rio Grande do Sul, e a Neovech – empresa que desenvolveu o primeiro larvicida biológico do Brasil para uso doméstico -, se uniram para desencadear uma campanha em conjunto contra o AEDES AEGYTI, em Porto Alegre e Canoas.
 Neste sábado, 9/04, os escoteiros serão capacitados para aplicar larvicida e, assim, prevenir a proliferação do mosquito nestas cidades. O treinamento será dado pelo médico e professor da PUCRS, Fernando Kreutz, pesquisador à frente da nova tecnologia, a partir das 9h, na sede do Escoteiro do RS – Rua Castro Alves, 398, para cerca de 60 monitores de grupos escoteiros. "Depois eles irão passar esse conhecimento para seus grupos", explica  Márcio Sequeira, dos Escoteiros RS.
 Segundo Márcio, seis grupos escoteiros, que representam cerca de 400 jovens, irão atuar em ações separadas em bairros de Porto Alegre, de acordo com o mapa abaixo que identifica maior concentração de focos do mosquito, e Canoas. As campanhas nas comunidades ocorrerão em abril, como forma de comemorar o mês Mundial dos Escoteiros, celebrado no dia 23.
De acordo com dados do Ministério da Saúde, ainda estamos no meio do pico da epidemia de dengue no país. "Por isso, o controle dos focos de criação de mosquitos é primordial para o controle da Zika, Dengue e chikungunya", avalia Kreutz.
A epidemia de zika já atingiu pelo menos 20 Estados brasileiros e tem se espalhado pela América Latina de maneira rápida e alarmante. O vírus, que é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, está sendo relacionado a mais de 5 mil casos suspeitos de microcefalia sendo investigados no Brasil. "Imagine eliminar 1500 mosquitos voando ao nosso redor, isto representa o que apenas um mosquito pode colocar de ovos durante sua vida (30 a 45 dias). Por isso, O controle do mosquito é a maneira mais eficiente para conseguirmos vencer esta verdadeira guerra que estamos travando no país."
O larvicida Biovech é resultado de 10 anos de estudos e pesquisas da empresa de biotecnologia e nanotecnologia Neovech, do Grupo FK Biotecnologia - holding de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que atua nas áreas de biotecnologia e nanotecnologia. É o primeiro produto da classe de larvicidas biológicos de uso doméstico disponível no Brasil. Além do efeito de matar a larvas, tem uma ação preventiva, pois continua a funcionar em locais que são de difícil controle, como nos jardins e pontos de casas onde acumula-se água. A presença do produto faz com que as larvas morram durante seu processo de amadurecimento e não se transformem em mosquitos adultos.
Sua fórmula é produzida utilizando a bactériaBacillus thuringiensis, variedade israelenses (BTI), que contém os cristais da proteína Cry. Uma vez ingeridos pela larva do mosquito, os cristais provocam a sua morte, evitando que ela se torne um mosquito adulto transmissor de doenças. "Ou seja, ao aplicar o produto nas áreas de risco, a larva ingere essa proteína e morre," explica. A tecnologia mata a larva dos mosquitos em até 24h.
O Biovech é biológico e não agride o meio ambiente. Tem a vantagem de matar as larvas do mosquito sem deixar qualquer tipo de resíduo tóxico, sendo inofensivo a seres humanos, animais domésticos, aves, peixes e plantas.

Um comentário:

  1. Excelente iniciativa. Quanto mais se espraiar a cultura de prevenção, pior para o mosquito e para estas três doenças que vêm assolando o mundo.

    ResponderExcluir

Classificatória do Enart movimenta Canoas nos dias 21 e 22 de outubro

Os tradicionalistas de Canoas nem começaram a sentir saudades da melhor semana para os gaúchos, a Semana Farroupilha, e já têm motivos ...