Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

20 anos sem Jayme Caetano Braun

No último dia 04, durante o Grande Expediente da Assembléia Legislativa do RS , o deputado Luiz Marenco prestou uma homenagem de reconhecimento ao poeta, compositor e pajador Jayme Caetano Braun, às vésperas de completar 20 anos de sua morte,na data de hoje. 

O deputado Marenco agradece a presença de alguns convidados que compuseram a mesa: o ex-governador Olívio Dutra, grande homem público, uma referência da política, a viúva do homenageado, Aurora Braun, o produtor fonográfico Airton dos Anjos (Patineti), o sr. Ivo Benfato, vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura, a sra. Paula Simon, presidente da Comissão Gaúcha de Folclore e a secretária municipal de turismo e cultura da cidade de São Luiz Gonzaga, Rose Grings.
Agradeçe também a presença de tantos amigos e de admiradores do Jayme que vieram prestigiar a sua memória, entre eles os poetas Léo Ribeiro de Souza, Maxsoel Bastos de Freitas, Juarez Miranda e Cândido Brasil, representando a Estância da Poesia Crioula, o cantor Charles Arce e o DTG Guardiões do Rio Grande.
Agradeço,  aos deputados pela presença: Sebastião Melo (MDB), Gerson Burmann (PDT), Issur Koch (PP), Luciana Genro (PSOL), Edegar Pretto (PT), Luiz Henrique Viana (PSDB), Giuseppe Riesgo (NOVO) e Dr. Thiago Duarte (DEM) que se manifestaram por meio de apartes, transformado o momento num manifesto ainda maior a este mestre da cultura rio-grandense e corroborando fato de que Jayme continua vivo na memória dos gaúchos e gaúchas, eternizado por sua obra.
É como disse o próprio Braun, meu como padrinho e pai artístico, meu irmão e amigo:
Morri, mas ressuscitei,
das cinzas da minha fé,
O sangue de São Sepé
me fez santo - eu me fiz rei:
gaúcho me transformei
num barbaresco improviso
e, ali no chão impreciso,
de parceria com o vento,
sou hoje, o prolongamento,
do chão sagrado onde piso!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PRF prende traficante com 120 quilos de maconha em Sapucaia do Sul

Em uma abordagem orientada pelo serviço de inteligência, Policiais Rodoviários Federais apreenderam 120 quilos de maconha que era transporta...