Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

20 anos sem Jayme Caetano Braun

No último dia 04, durante o Grande Expediente da Assembléia Legislativa do RS , o deputado Luiz Marenco prestou uma homenagem de reconhecimento ao poeta, compositor e pajador Jayme Caetano Braun, às vésperas de completar 20 anos de sua morte,na data de hoje. 

O deputado Marenco agradece a presença de alguns convidados que compuseram a mesa: o ex-governador Olívio Dutra, grande homem público, uma referência da política, a viúva do homenageado, Aurora Braun, o produtor fonográfico Airton dos Anjos (Patineti), o sr. Ivo Benfato, vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura, a sra. Paula Simon, presidente da Comissão Gaúcha de Folclore e a secretária municipal de turismo e cultura da cidade de São Luiz Gonzaga, Rose Grings.
Agradeçe também a presença de tantos amigos e de admiradores do Jayme que vieram prestigiar a sua memória, entre eles os poetas Léo Ribeiro de Souza, Maxsoel Bastos de Freitas, Juarez Miranda e Cândido Brasil, representando a Estância da Poesia Crioula, o cantor Charles Arce e o DTG Guardiões do Rio Grande.
Agradeço,  aos deputados pela presença: Sebastião Melo (MDB), Gerson Burmann (PDT), Issur Koch (PP), Luciana Genro (PSOL), Edegar Pretto (PT), Luiz Henrique Viana (PSDB), Giuseppe Riesgo (NOVO) e Dr. Thiago Duarte (DEM) que se manifestaram por meio de apartes, transformado o momento num manifesto ainda maior a este mestre da cultura rio-grandense e corroborando fato de que Jayme continua vivo na memória dos gaúchos e gaúchas, eternizado por sua obra.
É como disse o próprio Braun, meu como padrinho e pai artístico, meu irmão e amigo:
Morri, mas ressuscitei,
das cinzas da minha fé,
O sangue de São Sepé
me fez santo - eu me fiz rei:
gaúcho me transformei
num barbaresco improviso
e, ali no chão impreciso,
de parceria com o vento,
sou hoje, o prolongamento,
do chão sagrado onde piso!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PRF atende acidente com morte em Montenegro

A Polícia Rodoviária Federal está em atendimento a um acidente grave no km 418 da BR-386, em Montenegro. O acidente aconteceu por volta ...