Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

Maior abrigo para venezuelanos do Sul do Brasil é totalmente desocupado em Canoas


A última família venezuelana residente no Centro Temporário de Acolhimento (CTA) Argentina, em Canoas, deixou o local na sexta-feira . Faltando menos de 30 dias para o término do convênio de cooperação de assistência e acolhimento a venezuelanos no município, o maior CTA do Sul do país foi totalmente desocupado. O Centro, localizado no bairro São José, acolheu, durante seis meses, mais de 200 refugiados em busca de uma nova vida. Com a força-tarefa da Prefeitura de Canoas, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS), e da Fundação La Salle, contratada para fazer a gestão compartilhada do Programa de Interiorização do Governo Federal, foi possível dar encaminhamento a todos.
Desde o dia 12 de setembro de 2018, quando chegaram os primeiros venezuelanos no CTA Argentina, a rotina no prédio ficou bastante movimentada. Situação bem diferente da encontrada nesta sexta-feira (8). Com a ajuda da SMDS, a professora Sukellen Álvarez, de 35 anos, e a filha Helen, de 12 anos, acomodaram os seus pertences no interior do veículo disponibilizado pela Secretaria e se despediram do local, em direção à residência alugada no bairro Mathias Velho. Emocionada, Sukellen mostrou-se contente com esse novo capítulo na vida da família. “Tenho pai, irmã e sobrinhos na Venezuela. Aqui estou bem, mas sei que lá eles podem não ter o que comer. Quando posso, envio auxílio financeiro, mas penso em trazê-los um dia. Voltar, neste momento, não está nos meus planos”, explica Sukellen.
Ainda desempregada, a professora agora vai focar na busca por trabalho. O marido, Douglas Blanca, de 34 anos, está empregado como auxiliar de serviços gerais na Trensurb, mas ela sabe que precisam de mais recursos financeiros. “Apenas o salário dele não será suficiente para suprir as nossas necessidades. Por isso, arrumar um emprego segue sendo a minha prioridade. Já fiz entrevistas, e tenho certeza que logo a situação melhora”, reforça Sukellen, ainda com dificuldades na língua portuguesa. A filha Helen já frequenta a rede de ensino municipal de Canoas, e faz o papel de intérprete dos pais. No caderno, está o capricho das lições, todas em português. O sorriso tímido não nega: com apenas 12 anos de idade, além das histórias tristes do seu país, Helen também já tem muitas experiências felizes para contar.
Com o fechar da última porta dos apartamentos, a secretária Luísa Camargo comemora o resultado do trabalho de toda a equipe. “Há seis meses trabalhamos para que todos pudessem autogerir as suas vidas no país. Nosso principal objetivo sempre foi encaminhá-los para uma independência financeira, além de auxiliá-los na adaptação a uma nova rotina de vida. Hoje, encerramos os trabalhos aqui neste CTA, mas, até o dia 31 de março, estamos focados em encaminhar todos os venezuelanos do Programa de Interiorização para as suas novas moradias”, destaca a secretária Luísa, referindo-se aos venezuelanos abrigados no CTA localizado na avenida Farroupilha, também no bairro São José. Na última semana, nove famílias do CTA da rua Argentina foram encaminhadas para lá, a fim de centralizar os esforços em um só local.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Balaústre 67

Trata-se da ata da loja maçônica Philantropia e Liberdade, deliberando sobre a tomada de Porto Alegre durante a revolução Farroupilha, es...