Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

Povo de Terreiro diz não à intolerância religiosa e ao racismo

Os delegados da I Conferência Estadual do Povo de Terreiro aprovaram diretrizes, como o do Estatuto do Povo de Terreiro, coibindo a intolerância religiosa, o racismo e a exclusão que atingem a população de ascendência africana e a comunidade de terreiro. Também aprovaram a criação do Conselho Estadual do Povo de Terreiro. O evento ocorreu de 27 a 30 de março, em Porto Alegre, com a presença dos 12 delegados representando os municípios de Canoas e das regiões dos Vales do Sinos e Caí.
O secretário especial da Coordenadoria de Políticas da Diversidade, Rogério Ambieda, o Tigre, que participou do encontro, avalia positivamente o processo de discussão e apresentação de propostas, que se iniciou com as conferências municipal e regional. "Discutir políticas públicas e, de forma qualitativa, apontando diretrizes capazes de contribuírem com a redução de mazelas segregatórias, que as comunidades tradicionais de terreiro são acometidas desde o período colonial", disse.


Legado:

Como legado deste processo de discussão, o secretário Tigre aponta o debate nas conferências, a criação de um programa de políticas públicas que atenda a população de ascendência africana. Ele destaca a proposta de criação do Conselho Estadual do Povo de Terreiro. "Será o primeiro organismo para elaboração de ações direcionadas às comunidades tradicionais de terreiro", salienta.


Veja algumas diretrizes aprovadas:

-Criação de delegacia especializadas no atendimento aos crimes de preconceito, intolerância religiosa, racismo, ódio e demais crimes oriundos do preconceito ao povo de terreiro, utilizando como paradigma o Cartório de diversidades de Canoas;
-Criação do Estatuto do Povo de Terreiro;
-Garantia de recursos para a implantação de políticas que garantam a formação educacional e participação popular do povo de terreiro, e que haja equiparação com as entidades religiosas sociais e juridicamente reconhecidas;
-Criação de comitês do povo de terreiro em âmbito municipal para assegurar a efetivação  das políticas públicas para a comunidade terreiro;
-Requerer a garantia de qualificação dos professores e das escolas para que possam ensinar, sem preconceitos, as raízes do Povo de terreiro, de forma clara, aberta, direta e pedagógica, reforçando-se esta qualificação por meio de seminários, palestras, cursos,  e outro.

Fonte:Secom/PMC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Semana Farroupilha de Canoas recebeu mais de 120 mil pessoas

Foram 12 dias de intensas atividades na Semana Farroupilha de Canoas. Mais de 120 mil pessoas marcaram presença no Parque Eduardo Gomes...