Juramento do Jornalista

Juro exercer a função de jornalista assumindo o compromisso com a verdade e a informação. Atuarei dentro dos princípios universais de justiça e democracia, garantindo principalmente o direito do cidadão à informação. Buscarei o aprimoramento das relações humanas e sociais,através da crítica e análise da sociedade,visando um futuro mais digno e mais justo para todos os cidadãos brasileiros.

Semana Farroupilha

Se o Brasil é uma família, o Rio Grande do Sul é como filho desgarrado, ovelha negra, neste mar verde pampeano, silencioso e vazio... Gente estranha, mas gosta.
Cuidando da casa, do gado, da família, da lavoura. Certa vez ouvi dizer: “Gaúcho, é que nem cavalo chucro, hospitaleiro, te recebe bem em sua casa, mas não abuse de sua filha, não mata, faca ta na guaiaca”.
Um índio taura, entre espanhóis e portugueses que se esfolavam para saber quem era o dono da terra gaúcha, luta contra seu pior inimigo, o frio.
Que faz sua lei no “fio do bigode”, zanza por ai... Montado num cavalo bagual, ou petiço, antes de descansar num pelego, faz um fogo de chão, assa uma janela, da costela de uma vaca, que atolou lá pelas bandas do Rio da Prata, ou um riacho por ai... Laranjas de sobremesa colhidas no pé.
Como diz um nego véio, tem que ter um olhar biosférico. Explico: Primeira vista: lembra um ronin (samurai sem mestre do Japão feudal), a segunda vista: lembra Homem – X (lenhador no Canadá dos filmes de Valverine), pode ter nome qualquer, ou capitão Rodrigo, carrega viola nas costas, ou no peito uma gaita ponto.
Começa que diverge de tudo... Coloca os pingos no “i” e no “j”, altera estatística: - Mas conta com o precioso aval de um certo Analista de Bagé, personagem de Luis Fernando Veríssimo que recebia seus pacientes de bombacha e esporas, berrando: "Mas que frescura é essa de neurose, tchê?
- No meu consultório tenho uma guampa esculpida com as caras de Adler e Jung. A Dona Melanie Klein também, era china de se apresentar pra mãe. Coisa mui especial. Já esse tal de Reich, nem pra catá bosta. Reich, pra mim, é prenúncio de cuspida.
O Analista fez o curso Em Paris, Viena, e Nova Iorque, com especialização em Passo Fundo... Maragato, Guarani, Internacional, Iolanda Pereira, João XXIII, sal grosso em vez de salmoura, tango, mulher ancuda, pinga ardida, fumo de rama, filme de pirata e afirma: “Não sei cagá sem ler o Correio”. Ele só fala “inglês pra comprá boi”.
Além do gaúcho, chamado de machista", qual outro povo que valoriza a mulher a ponto de chamá-la de prenda (que quer dizer algo de muito valor)?
Ô, gaudério, tchê! Ou, como se diz em outra praças: "legal às pampas", uma expressão que, por sinal, veio daqui do sul.
Chimarrão, churrasco, carreteiro de charque, com ou sem milonga, mas valhe lembrar que há controvérsias quanto à “Revolução Farroupilha”, porém, somos gaúchos e bem ou mal cultivamos nossas tradições.
Em 1870, José de Alencar publica romance “o Gaúcho”, sem nunca ter estado no Rio Grande do Sul. Os contos gauchescos de Simões Lopes Neto contam nossa história. Mini série global a “Casa das Sete Mulheres”, do diretor Jaime Monjardim mostra um pouco da saga riograndense, outro filme atual é o “Tempo e o Vento” inspirado na obra do escritor Érico Veríssimo, ou “Uma certa Bibiana”, de 1985, é outra inspiração do velho Érico. Neto Perde a Alma, de Tabajara Ruas, em que participa o ator negro e diretor teatral canoense João Maximo. 
Os dias que antecedem 20 de Setembro acontecem às festividades que se comemoram a semana farroupilha com desfiles, nos quais participam prendas e peões montados a cavalo, a “Chama Crioula” circula por todo estado.

Moacyr Vargas Junior - Escritor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Classificatória do Enart movimenta Canoas nos dias 21 e 22 de outubro

Os tradicionalistas de Canoas nem começaram a sentir saudades da melhor semana para os gaúchos, a Semana Farroupilha, e já têm motivos ...